Monday, March 06, 2006

"Oxóssi é um deus dos epíritos da floresta que veio para o Brasil com os escravos da África ocidental. É um orixá muito poderoso possivelmente por que, no princípio dos tempos, seus adoradores, sendo guerreiros e caçadores, realizavam atividades das mais fundamentais para a sobrevivência da comunidade. Mais o seu ambiente preferido é a sombra e o silêncio da floresta. Por isso ele é um ser que se realiza no ponto de encontro entre o grupo e os estrangeiros, e no limite entre a sociedade e a natureza."Renato da Silveira







































O Ofá de Oxossí - fotografia 150x100 cm








































































































Friday, February 17, 2006


Niday - fotografia 100x70 2005




Saturday, February 11, 2006


Carne

Na fase seguinte a matéria prima utilizada é a carne culturalmenteinformada pela população do nordeste brasileiro: a carne de charque. Ohábito do consumo da carne de charque remete a temáticas próprias donosso universo cultural, como a seca, a fome, a comida pouca. A carnedesidratada e salgada, que não apodrece facilmente, que pode serparcimoniosamente utilizada pelas populações pobres do nordestebrasileiro. Sua utilização pelo artista é inusitada: ele a transforma emroupas, produzindo uma coleção completa de trajes e adereços masculinose femininos que são apresentados num circuito de moda, conhecido comoBarra Fashion (2000). A inspiração na Wearable Art é apenas aparente (oureferente). O que o artista busca é colocar a dicotomia necessidade xsupérfluo, glamour x miséria, ao tempo que convoca o espectador arefletir sobre os limites do vestível, as possibilidades da moda e a suarelação com o contexto social no qual ela se insere.Fazendo parte de um amplo projeto de intervenção, teoricamente embasadono conceito de escultura social do Joseph Beuys, outras ações seincorporam ao “projeto carne” . A performance “A Transmutação da Carne”,apresentada no Instituto Cultural Brasil Alemanha (2000), por exemplo,quer discutir a violência contra o corpo. Utilizando-se de registros detorturas sofridas por escravos no Brasil, relatos de suplíciosanalisados por Michel Foucault quando estudou a História dos sistemaspunitivos no Ocidente, o público, mais uma vez, é convocado a olhar asua própria ferida. Uma ferida que pode ser estetizada, transmutada, masnunca esquecida. E a dor do corpo escravo, marcado a ferro e brasa pelosseus senhores, encontra ressonância na miséria nordestina: fome etortura são apresentadas, na ação, num churrasco humano como a nos dizerdo lugar do homem dentro da gramática de desigualdade que constitui asociedade brasileira. Os cerca de 800 quilos de carne que foram utilizados nas intervenções -que também incluíram um desfile público dos modelos pela zona central dacidade de Salvador (Praça da Piedade e Avenida Sete) - foram devolvidosao seu significado original, de comida através de doações, sendo estaação um momento crucial da obra. Com isso o artista dá visibilidade àfome no Nordeste como um problema social, a carne é distribuída entrecomunidades carentes e associações filantrópicas, com um sentido dedenúncia. Os recibos e as cartas de agradecimento das referidasinstituições, enviados ao artista, são transformados em obra de arte: osdocumentos-obra. A obra de arte, agora, nesse gesto, está pronta. Voltaa cumprir o seu desejo original de humanizar o mundo.

























































Thursday, February 09, 2006

Divisor. Bienal do Mercosul - 450x200x25
vidro, água salinizada e 1000 l de azeite de dendê




Bipolar. MAM Bahia

azeite de dendê vidro e lâmpada

400x160x10

Wednesday, February 08, 2006

Dendê
O azeite de dendê passa a ocupar um lugar central no seu processo investigativo. A polivalência de seus usos, a ubiqüidade da sua presençanas regiões baianas diretamente envolvidas com a escravidão e o tráficonegreiro, empresta sentidos múltiplos e densos ao material e éapropriado pelo artista como matéria-prima central para se pensar oethos baiano. A importância atribuída ao óleo de palma pelas religiõesafro-baianas – o “sangue vegetal” que é oferecido às divindades em umagrande parte de seus rituais -, emprenha-o de sentidos
abrangentes emúltiplos.

















As Maõs do Epô OMOLU-Fotografias 100x70

















Barrueco "sangue"-Fotografia 100x70


















Sêmem "EXU" - Fotografia 100x70



Na obra “Regresso à Pintura Baiana”, um painel monumental (500x400)pintado com azeite
de dendê, utilizando-se da técnica dripping -, oartista busca explorar as potencialidades do óleo
enquanto tinta. Sualuminosidade, textura, gradiência; os efeitos arbitrários conseguidoscom o
uso são largamente explorados. A cor, o cheiro, a exuberância daobra incomodam. Remete-nos a
zonas ancestrais do nosso inconsciente, aotempo que parece perguntar, dramaticamente, sobre
a inserção dos negrosna sociedade baiana.













Regresso à Pintura Baiana - parede pintada com dendê
500x400

Monday, February 06, 2006


Ayrson Heráclito Novato Ferreira
Macaúbas Bahia – 1968



EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

· 2002 “Ecologia de Pertencimento-Museu de Arte Moderna da Bahia-Salvador-Bahia
· 2000 “A Transmutação da Carne - ICBA – Galeria do ICBA – Salvador - Bahia”.
· 1990 “Dentro do Escuro”- Galeria Vila Imperial – Vitória da Conquista - Bahia
· 1989 “No Limite da Sagrada Família” – Museu de Arte Moderna da Bahia – Salvador – Bahia

EXPOSIÇÕES COLETIVAS

· 2004 Primeiro de Abril – Galpão Sta. Luzia –SSA

· 2003 Líquidos – Galeria Caco Zanchi – SSA

· 2002 Nono Salão da Bahia - MAM
· 2001 Bienal do Mercosul
Design 21 – Felíssimo Ny - EUA
· 2000 Performance - Ação - ICBA
Exposição Coletiva em Comemoração aos 25Anos da Galeria ACBEU – SSA
Terrenos Exposição Coletiva - ICBA
· 1995 Artistas Baianos - MAC – USP – Museu de Arte Contemporânea – Ibirapuera – SP
· 1993 Artistas Emergentes – MAM - SSA
· 1991 I Bienal do Recôncavo - Centro Cultural Dannemann – São Félix – Ba
· 1990 Exposição Coletiva de Colagem – Instituto Cultural Brasil – Alemanha – Goethe Institut –
Das Estrelas ao Asfalto – Museu de Arte da Bahia – MAB – SSA
Z Eros ao Infinito – Galeria de Arte Nata – SSA
· 1988 Salão de Arte Contemporânea de Pernambuco – Edição 1988 – Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte de Pernambuco – Recife - PE

PREMIAÇÕES

· 2002 – Prêmio Brasken de Cultura e Arte
Nono salão do MAM - BA

· 1994 - II Bienal do Recôncavo
· 1992 – XI Oficina Nacional da Dança Contemporânea – Concurso de Instalação e Performance
II Salão Universitário de Artes Visuais
II Salão Baiano de Artes Plásticas
· 1988 - I Salão Baiano de Artes Plásticas
· 1986 - I Salão METANOR / COPENOR de Artes Visuais da Bahia